Out 1, 2012
infiel

“Passe Livre” – Período de aceitação mútua entre marido e mulher em que tudo é permitido

Quando uma mulher casada trai, ela faz isso com uma razão muito específica. Ao contrário dos homens, que procuram, principalmente, para satisfazer os seus próprios desejos, uma mulher tenta recuperar uma parte perdida de si mesmo que tenha uma boa relação com o marido. Por esta razão, a mulher procura mais alguma coisa com um caso extraconjugal e um resultado interessante é que cerca de 2-3% dos nascimentos são estimados estarem ligados a uma traição. Outro aspecto interessante é que a traição feminina há quase sempre mulheres economicamente independentes e que a maioria da traição feminina vem frequentemente no escritório. A ligação entre a independência económica e traição também leva a uma maior consideração: a traição em si não é uma forma incorrecta de interpretar a relação entre homem e mulher.

O ser humano tem, de fato, a traição em seu DNA. O homem precisa espalhar sua identidade genética, da maneira mais eficiente possível, a fim de permitir que a evolução da espécie. Isto envolve a relação com o maior número de possíveis parceiras, de modo a garantir um salto evolutivo. E em vez de uma opinião comum de que a traição é um ato “errado”, porque o homem é considerado eticamente acima de seus instintos e necessidades físicas. Normalmente, este tipo de comportamento é para conciliação respeito pessoal da mulher, devido a suas necessidades físicas e mentais e para garantir que a traição seja justificado diante dele. Em casais mais velhos, muitas vezes leva a uma forma de paz entre marido e mulher.

No caso em que a traição é descoberta imediatamente, de facto, as relações tendem a melhorar em 25% dos casos. Essa constatação levou ao surgimento de um fenómeno que nos Estados Unidos é chamado de “passe livre”: é um período de aceitação mútua entre marido e mulher em que tudo é permitido. Ambos têm a capacidade de fazer as suas próprias experiências, a fim de recuperar a sua independência sexual, e depois voltam para dentro das paredes de casa e retomar a vida de antes. É interessante notar que os casais que decidem entrar neste tipo de liberdade raramente conseguem adquirir experiência prática, muitas vezes voltam para casa sem ter feito nada. Somente em casos raros pode realmente encontrar a si mesmos e sua independência sexual, e isso traz em 50% dos casos, o colapso final e divórcio, porque percebemos que a relação conjugal chegou ao fim e o que permanece é apenas um rastro de algo que não existe mais. A infidelidade é, por vezes, a única maneira que um homem ou uma mulher tem que fazer-se realmente perceber que é hora de virar a página e começar do zero com suas próprias crenças e seus próprios instintos para orientar suas escolhas, caso contrário, enterrado atrás um véu de hipocrisia e medo inerente ao contrato de casamento.

1 Comentário

  • GOSTARIA DE SABER PESOALMENTE

Diga-nos a sua opinião

%d bloggers like this: