Ago 23, 2012
infiel

A traição

A traição e um fenómeno difícil de classificar , mas parece que as mulheres estão cada vez mais  infiéis e que os homens infiéis começam a sentir se mais culpados de tais atos .

Com a evolução das sociedades a independência feminina  promoveu mudanças na mulher em muitos aspetos da sociedade, especialmente no que se refere ao mercado de trabalho.
Atualmente os casais são mais cúmplices, construindo e provendo o lar em igual proporção. Ao trair, o homem sente destruir o vínculo de lealdade com alguém que divide tudo com ele. E há ainda a possibilidade de a mulher sair de casa e abandoná-lo se souber do caso – o que era uma atitude improvável alguns anos atrás – e a mudança na relação com os filhos.
Parece que ter uma aventura fora de casa significa a decadência total  para o homem. Agora o homem que trai sente que faz algo errado, enquanto antes isso não era nem colocado em questão, porque prenominada muito mais o machismo .

varias  pesquisas  efetuadas ao longo do tempo , revelam que a maioria dos homens é infiel, mas divergem sobre o número de mulheres que traem. O resultado é de que 47% das mulheres e 60% dos homens são infiéis e alguns psiquiatras constatam que 67% dos homens e 23% das mulheres já traíram o parceiro. falar  sobre infidelidade é tarefa complicada. Não há como verificar se quem responde às pesquisas está mesmo dizendo a verdade, nem há como garantir que a presença do entrevistador não influencia a resposta do entrevistado e, ainda, muitas vezes, o questionário é respondido na frente do parceiro.

A traição é um fenómeno difícil de se mensurar mas parece que as mulheres estão cada vez mais infiéis e que os homens infiéis começam a sentir-se culpados

A independência feminina promoveu mudanças na mulher em muitos aspetos da sociedade, especialmente no que se refere ao mercado de trabalho.

Atualmente os casais são mais cúmplices, construindo e provendo o lar em igual proporção. Ao trair, o homem sente destruir o vínculo de lealdade com alguém que divide tudo com ele. E há ainda a possibilidade de a mulher sair de casa e abandoná-lo se souber do caso – o que era uma atitude improvável alguns anos atrás – e a mudança na relação com os filhos.
Parece que ter uma aventura fora de casa significa uma vergonha para o homem. Agora o homem que trai sente que faz algo errado, enquanto antes isso não era nem colocado em questão.

Pesquisas à muito pouco tempo, revelam que a maioria dos homens é infiel, mas divergem sobre o número de mulheres que traem. O resultado é de que 47% das mulheres e 60% dos homens são infiéis e alguns psiquiatras constatam que 67% dos homens e 23% das mulheres já traíram o parceiro. Mensurar dados sobre infidelidade é tarefa complicada. Não há como verificar se quem responde às pesquisas está mesmo dizendo a verdade, nem há como garantir que a presença do entrevistador não influencia a resposta do entrevistado e, ainda, muitas vezes, o questionário é respondido na frente do parceiro.

Um  conjunto de pessoas entendidas na matéria ,classificam a infidelidade conjugal em três tipos básicos: a traição como desejo de novidade para vencer o tédio do casamento; a traição como afirmação da feminilidade ou da masculinidade – é o caso dos traidores compulsivos que precisam de nova conquista para descartá-la em seguida; e a síndroma de Madame Bovary (personagem do romance de Flaubert sobre a infidelidade feminina), em que a insatisfação afetiva leva à busca de um amor romântico que não existe.

Diga-nos a sua opinião

%d bloggers like this: